Novo dispositivo para controle do diabetes

sistema de wearable Senseonics 'para gerenciamento de diabetes (Fonte: Senseonics) Sistema implantável Senseonics ‘para gerenciamento de diabetes (Fonte: Senseonics)

Novas tendências no controle do Diabetes!!!

Uma grande empresa do mercado de produtos para o cuidado com o diabetes lança novo sistema de monitoração contínua da glicose sanguínea sem agulha.

Reportagem completa no link: http://www.tiabeth.com/index.php/2016/05/30/roche-estreia-novo-dispositivo-nao-invasivo-para-gestao-da-diabetes/

 

Diabetes e Estilo de vida

09

O descontrole glicêmico para o indivíduo diabético, representa grave situação e forte associação aos agravos da síndrome. Um estudo transversal de 2010, feito por Mendes e col. ,apresentou números alarmantes quanto a falta dos controles glicêmicos em indivíduos maiores de 18 anos, diabéticos tipo 1  e tipo 2, em 10 grandes cidades brasileiras distribuídas em 4 regiões (Região sudeste: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Campinas / Região Sul: Curitiba, Porto Alegre / Centro Oeste: Brasilia / Nordeste: Salvador, Fortaleza e Recife) no  período de fevereiro de 2006 à março de 2007.

Em 6.671 diabéticos (tipo 1 e tipo 2) 76% deles não apresentavam controles de seus níveis glicêmicos.

Do total de diabéticos, 979 indivíduos (15% do total) são diabetes tipo 1, e destes 89,6% não apresentaram controle dos níveis glicêmicos.

Dos 6.671 diabéticos, 5.692 dos indivíduos (85% do total) são diabéticos tipo 2. Destes, 73,2% não apresentaram controles dos níveis glicêmicos.

O alto índice de sedentarismo presente em grande parcela da população, é um grande colaborador para esses achados, principalmente ao diabético tipo 2 que está diretamente associado a hábitos nada saudáveis.

Estimular mudanças no estilo de vida da população, diabética (ou não diabética), é um dos grandes desafios para os profissionais da área da saúde. Para a população mudar comportamentos de risco é muito desafiador.

Todos sabem que comer bem e se exercitar, entre outras práticas, são importantes para ter ou manter boa saúde. O problema e sair da inércia e mudar esse quadro. Mudanças muito radicais de uma só vez podem ser mais difíceis. Comece gradativamente e sinta os benefícios relacionados à mudança de hábito. Com certeza isso será de muita valia para que você continue com toda uma necessária transformação colaborando com sua saúde e qualidade de vida.

Forte abraço!!!

 

 

Diabetes tipo 2: exercícios aeróbios e musculares

 

BANNER-300x250px

Obrigada por assistir a palestra.

Espero que ela tenha sido útil para que você consiga se destacar no mercado de trabalho, atendendo um público que a cada dia cresce mais no mundo inteiro: O Público diabético.

O bom profissional se destaca quando sai fora da curva e busca alternativas para melhorar cada vez mais a saúde das pessoas que atende. E se você chegou até aqui com certeza deu um passo enorme para se tornar um profissional de alta performance.

Forte Abraço!!!!

BAIXE AQUI OS SLIDES DA PALESTRA!!!

Treinamento Funcional X Instabilidade

agachamento joelho 2

Olá pessoal!

Entender a relação existente entre o treinamento funcional e a instabilidade gerada através dos exercícios, e de equipamentos, é uma questão importantíssima ao elaborar um treinamento.

Você acredita que para o exercício ser funcional, obrigatoriamente deve-se gerar instabilidade?

A resposta é NÃO, porém, essa confusão acontece.

O grau de dificuldade e intensidade criada por uma base instável deve ser coerente ao nível de treino e objetivo de quem o faz.

É claro que a instabilidade acrescenta, e muito, os benefícios e desafios, mas analisar e entender quem pode ser desafiado através dessas propostas instáveis são fundamentais ao objetivo e segurança do praticante.

Antes de propor exercícios em bases instáveis, aprimore a técnica e condição física em bases estáveis. Conforme as competências motoras forem melhorando, desafia-los a execução em bases instáveis pode ser o próximo passo.

Bom senso na prescrição, ok?

Forte abraço!!!